Conheça os tipos de hérnia e como tratá-las

Entenda como tratar a incontinência urinária feminina
17 de julho de 2017
Conheça a hérnia inguinal, a mais comum no abdômen
4 de outubro de 2017

Conheça os tipos de hérnia e como tratá-las

Quando se fala em hérnia, o primeiro pensamento que costuma vir à mente é sobre um problema que causa sofrimento e de difícil solução. No entanto, não é bem assim.

É preciso destacar que a hérnia possui diversos estágios. Desse modo, quanto antes for tratada, menores serão os sintomas e melhor será a qualidade de vida da pessoa. Felizmente, nos dias atuais a medicina oferece diversos procedimentos para os mais diferentes tipos de hérnia.

 

O que é hérnia?

Os órgãos do corpo são mantidos no lugar por músculos, membranas e pele, os quais formam uma parede fibrosa. Quando alguma das partes da parece sofre um dano, normalmente se forma um orifício (um espécie de túnel) pelo qual o órgão protegido pode se deslocar e dar origem à hérnia.

O problema pode surgir de maneira natural ou adquirida (exagerado esforço físico, por exemplo), e costuma apresentar saliência visível no local, assim como dor. Além disso, dependendo do tamanho do orifício e da região do corpo, a hérnia pode causar problemas graves.

 

Principais tipos de hérnia e como tratá-las

A hérnia pode aparecer nas mais diferentes regiões do corpo. No entanto, há locais que são mais propensos ao surgimento do problema. Veja, a seguir, os tipos de hérnia mais comuns:

Hérnia Inguinal: surge na virilha e representa 75% das hérnias abdominais. É 25% mais comuns em homens e, quando tratada logo no início, costuma não apresentar complicações. Normalmente, é resultado de grande esforço abdominal, mas pode também ser gerada por falha congênita. Quando se expande, pode, inclusive, atingir a região escrotal.

  • Sintomas: dor associada ao esforço abdominal, como a tossir, ao fazer exercícios, ao levantar objetos pesados, e ao evacuar.
  • Tratamento: a única maneira de tratar a hérnia inguinal é através de cirurgia, a qual promove a correção do problema. O procedimento é considerado comum e deve ser avaliado pelo médico.

Hérnia Epigástrica: o afastamento dos músculos abdominais dá espaço ao surgimento da hérnia epigástrica, a qual ocorre na linha média entre o tórax e o umbigo. Mais presente em homens, o problema na maior parte dos casos é congênito.

  • Sintomas: na maioria dos casos é assintomática (sem dor), mas pode causar dores ao se pressionar o abdômen.
  • Tratamento: por não se curar naturalmente, esse tipo de hérnia requer uma cirurgia de reparação da região abdominal.

Hérnia Umbilical: também conhecida como paraumbilical, esse tipo de hérnia surge ao redor do umbigo, sendo mais presente em mulheres. É causada por algum defeito na cicatrização umbilical, e pode ser potencializada pela gravidez, pelo esforço excessivo, e pela obesidade. Este tipo de hérnia também é comum em crianças.

  • Sintomas: inchaço ou protuberância da região do umbigo, e dor.
  • Tratamento: no caso de crianças, a hérnia umbilical tende a desaparecer normalmente. Já em adultos, pode demandar a necessidade de uma cirurgia para evitar problemas maiores (crescimento e dor). A operação é considera simples e pode ocorrer a implantação de uma tela de proteção para reforçar a região.

Outros tipos de hérnia: além dos 3 tipos de hérnia mais comuns, ainda existem outros, como:

Hérnia Femoral: está localizada logo abaixo do ligamento inguinal na virilha. Ocorre quando parte do intestino empurra a parede do canal femoral;

Hérnia Incisional: pode surgir em vários locais do abdômen que sofreram alguma incisão cirúrgica.

 

Qual é o tratamento da hérnia?

Por se tratar de um defeito anatômico, o único tratamento efetivo é o cirúrgico.

Dependendo do tipo de hérnia e da avaliação médica durante a cirurgia, comumente são utilizadas Próteses (Telas para Hérnia), para reforçar o tecido e evitar a recidiva (retorno da hérnia).

 

Em caso de sintomas, procure um médico

Quanto antes tratada, menores são os riscos e o sofrimento causados pela hérnia. Por isso, em caso de dores e desconfortos (principalmente na região do abdômen), é fundamental agendar um atendimento médico para a realização de uma avaliação do caso.